A AMENDOEIRA AMARELA E A ARARA-MILITAR-GRANDE





October 2020
Written by: Sebastian Rotter
Translated by: Nailson Silva



A árvore mais importante da qual você nunca ouviu falar: A Amendoeira Amarela - seu nome científico é Dipteryx oleifera (antiga Dipteryx panamensis) – é um dos vários membros do gênero Dipteryx. É comumente encontrada em florestas tropicais na América Central, especialmente na Nicarágua, Costa Rica, Panamá e Colômbia e normalmente atinge uma altura de 40 a 50 metros. A Amendoeira Amarela é a única espécie do gênero Dipteryx que foi listada na CITES - the Convention on International Trade in Endangered Species of Wild Fauna and Flora.

Com isso, tornou-se uma das 32.800 espécies de plantas ameaçadas que esta lista abrange. Como um acordo internacional entre 183 governos, ela visa assegurar que o comércio internacional de animais e plantas selvagens não ameace a sobrevivência das espécies. A Amendoeira Amarela foi incluída na lista da CITES para a Costa Rica em 2003 e para a Nicarágua em 2007. Ela está listada no Anexo III, o que significa que está protegida pelo menos no país que a está listando e que a sua exportação é controlada. O que torna esta árvore tão especial a ponto de ter sido incluída nesta lista?




Uma Espécie Keystone

A Amendoeira Amarela é considerada uma espécie keystone (espécie-chave). Uma keystone, de acordo com o Dicionário Cambridge, é a parte mais importante de um plano, idéia, etc., da qual tudo mais depende. Em Arquitetura, a keystone é a pedra central que é colocada no topo de um arco como a última peça para manter todas as outras pedras em posição. Portanto, uma espécie keystone é o que chamamos de espécie - vegetal ou animal - que é vital para o funcionamento e a sobrevivência de todo um ecossistema. Sem suas espécies keystone, um ecossistema pareceria extremamente diferente e poderia não ser capaz de se adaptar às mudanças ambientais se suas espécies keystone desaparecessem. A Amendoeira Amarela é uma das espécies keystone em suas regiões endêmicas da América Central. Isto se deve principalmente a seus frutos, que crescem quando a árvore tem 11 a 12 anos. A grande quantidade e especialmente a disponibilidade dos frutos durante a estação seca - que normalmente dura de dezembro a abril - faz da Amendoeira Amarela um aspecto chave na sobrevivência de muitas espécies animais que vivem nas florestas tropicais circundantes. Foi observado que dezesseis espécies de mamíferos e aproximadamente 100 espécies de aves dependem diretamente dos frutos da árvore durante a estação seca. Além disso, o movimento dessas espécies frugívoras também resulta em mais espécies, por exemplo, seus predadores, deslocando seus locais de caça para mais perto das Amendoeiras Amarelas. Podemos ver, portanto, que a Amendoeira Amarela é o primeiro elo nesta cadeia natural de sobrevivência do ecossistema.



A Arara-militar-grande

Um dos beneficiados da Amendoeira Amarela de maior destaque é a Arara-militar-grande.





A Arara-militar-grande (Ara ambiguus) é um papagaio muito grande, normalmente com 85 a 90 cm de comprimento. Estima-se que existam cerca de 2.500 papagaios na América Central, com sua subespécie - a Ara ambiguus guayaquilensis - com apenas uma estimativa de 30 a 40 indivíduos no Equador, o que o torna um dos papagaios mais raros do mundo. A aparência colorida do pássaro fez dele um animal de estimação popular no passado. Muitos indivíduos também foram mortos devido às suas penas ou simplesmente baleados por fazendeiros que os viam como uma praga agrícola. Foi listada pela CITES como uma espécie do Apêndice I mundial em 1985, o que significa que está ameaçada de extinção. Em 2016, a Arara-militar-grande foi incluída na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN na categoria ameaçada (a segunda mais alta antes de se tornar criticamente ameaçada e depois eventualmente extinta). Contudo, a maior ameaça à sobrevivência das aves é a destruição de seus habitats - particularmente o desaparecimento da Amendoeira Amarela. Durante a estação seca, a Arara-militar-grande depende dos frutos da árvore para constituir até 80% de sua dieta. Além disso, ele usa as cavidades naturais da árvore para fins de nidificação. Sem a Amendoeira Amarela, a Arara-militar-grande e inúmeras outras espécies provavelmente não encontrarão alimento suficiente durante a estação seca e não terão locais de nidificação devidamente protegidos.


A Queda da Amendoeira Amarela - Por que ela está Desaparecendo?

À medida que as espécies evoluíram naturalmente ao longo de milhares de anos, a Amendoeira Amarela encontrou uma maneira de se proteger dos perigos naturais. Infelizmente, foi justamente este desenvolvimento que fez com que o seu predador mais perigoso e mais recente se interessasse por ela: a humanidade. A madeira da Amendoeira Amarela é extremamente densa - uma das madeiras mais duras do mundo - o que a torna muito resistente não apenas a insetos como cupins, mas também ao fogo e à água, além de uma alta resistência ao choque. Devido à sua densidade, era difícil de ser serrada e trabalhada até meados da década de 80. Contudo, a nova tecnologia de motosserras tornou possível cortar as árvores e trabalhar a madeira com muito mais facilidade. Desde então, tornou-se muito popular para projetos de construção pesada, como a construção de ferrovias e pontes, a fabricação de artigos esportivos ou simplesmente para uso doméstico na forma de móveis ou material para deck.


A Costa Rica proibiu o uso de suas próprias Amendoeiras Amarelas da natureza em 2008, porém, ainda é o maior importador de madeira de Amendoeira Amarela do mundo, importando-a principalmente da Nicarágua - o maior exportador. Fora da América Central, os EUA são um dos maiores importadores de madeira de Amendoeira Amarela. Embora a Nicarágua tenha reconhecido a importância e a crescente escassez da árvore ao listá-la como uma espécie do Apêndice III na CITES, isto não torna a exportação ilegal, mas apenas requer o controle das quantidades exportadas. Entretanto, é seguro presumir que a maioria das exportações, não apenas da Nicarágua, mas também de outros países de origem da Amendoeira Amarela, como Panamá e Colômbia, vem de populações selvagens e são comercializadas ilegalmente.


O que podemos fazer?

Depois de ter compreendido a importância desta espécie particular de árvore, é importante perguntar-se: existe alguma coisa que possa ser feita para evitar que esta árvore desapareça de sua antiga casa e com ela possivelmente ecossistemas inteiros que dela dependem? Certamente, devemos procurar impedir que as árvores sejam removidas de seu habitat natural em primeiro lugar, pois isto possibilitará que os processos naturais de polinização permitam que a população de árvores se recupere e se expanda. Na prática, isto se mostra muito difícil, pois sem nenhuma lei nos respectivos países, não há base legal para impedir o corte das árvores, e mesmo que tivéssemos alguma lei em vigor, elas também precisariam ser cumpridas.


Felizmente, existem iniciativas de organizações ambientais que visam salvar e repovoar a Amendoeira Amarela perdida. Uma dessas organizações é a Planet Rehab, com sua campanha Just One Tree (Apenas uma Árvore). A ideia da campanha Just One Tree é cultivar mudas de Amendoeira Amarela na sua fazenda Green Acres no Panamá até que elas estejam prontas para serem transplantadas para regiões bio-sensíveis nas florestas tropicais da área. Elas continuarão a ser cuidadas e protegidas até atingirem o tamanho máximo e fornecerão alimento e abrigo a todas as diferentes espécies da área, assim como suas contrapartes selvagens. Mais informações sobre a iniciativa e os meios para contribuir patrocinando uma árvore podem ser encontradas em https://www.planetrehab.org/just-one-tree.